terça-feira, maio 20

Fogo



Céu,
pinheiros ao vento,
nuvens de fumo.

Há um fogo por apagar no meu peito.

O Sol cai direito ao corpo
quente,
(da espera)
as mãos sem direcção,
vazias dos momentos
adiados,
pensados,
os gestos.

A musica trai a memória num despertar
de sentidos
sem nome,
proibidos.

Cai a tarde,
a luz impera
na sombra
impura
até doer.

7 comentários:

Serenidade disse...

O fogo do amor queima, quer seja correspondido quer não, mas há sempre o fogo do amor, o fogo de um coração que ama, e amar é um sentimento com a capacidade de curar tudo, até o próprio amor.

Serenos sorrisos

Teresa Lopes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
O Profeta disse...

Sente-se os aromas da tua escrita...


Doce beijo

Giovenale Nino Sassi disse...

Estou bem com Serenidade. Amor amor cura.
Nino

india disse...

Apaixonada como sempre, e a escrita mostra bem o teu interior, é bom saber-te assim.

wahine disse...

Sinto-te...
O teu corpo
presença viva
em mim.
A tua tez morena...
Sedução.
Cabelo negro ao vento...
Sorriso branco alvo...
Coração.
Tens o sabor a mar...
Doce brisa no olhar...
Perdição.
O teu beijo doce
teu negro cabelo...
Selvagem.
Percorro o teu corpo avido
de tumultuosas emoções...
Paixão.
Sinto nas veias
a explosão dos sentidos...
Cabelos molhados...
Corpos transpirados...
Por um momento...
Fugaz
Brilho nos olhos...
Bocas rasgadas
em beijos húmidos...
Coração fora do peito
galopando a compasso.
Eu te sinto em mim
desordenada em vendaval
de emoções...
Eu te sinto somente...
Fugaz




WAHINE em 20.05.0

Paulo Lopes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.