quarta-feira, julho 9

Funny Valentine (Chet Baker)



Dilacerante
esta melodia onde me refugio
lânguida
perturbante,
numa calma
de morte anunciada.

O Sol encobre
o luar do meu rosto
em pranto
as minhas mãos
cheias
do vazio que invento
para
me reencontrar
nesta fuga
de mim,
sem destino,
sem ti.

É quase
(A)gosto
das tardes escaldantes
em esplendor
vibrantes
numa dor por partilhar.

Há segredos que não se cabem em nós de tão grandes que são.

Os sonhos
de(V)erão
ser
perseguidos
até à exaustão?

Viajo...
Há dias que parti.
E não sei se regresso.
Não sei de mim.

Fecho os olhos.
Aspiro o ar fresco de uma manhã tardia.
Irei por onde a musica me levar.

Lentamente esqueço a cor de um olhar.

(A)guardo a noite
em reflexos
de lume
azul
assim.
o beijo prometido
com sabor a cerejas
proibido
suspenso
o gesto
do adeus
que não sei.

10 comentários:

Anónimo disse...

Perdida, quando tens um peito aberto desdobrado em mil paixões que desencadeias à tua volta e o meu ombro frio na ausência do teu rosto doce de olhos de cereja?

Desencontrada quando te digo em permanência agarra a minha mão e à tua volta mil mãos se estendem desinteressadas do teu corpo apenas à procura de um reflexo no teu olhar?

O teu vazio é a vida que te procura quando pensas negativo e fica sem saber para onde ir, dá-lhe um rumo, lembra-te das mãos apaixonadas pelo teu cabelo que te rodeiam estendidas na tua direcção.

Pára de fugir. Encontra-te, não é fácil, dói, mas está à tua frente.
Pára de fugir, contempla-te a ti própria com sossego, acaba com a contradição que te vitima. Aprende a respirar fundo.
Não vás antes de ir, porque não tens onde chegar.

E principalmente não esqueças a cor do olhar que te diz serenamente...
Amo-te.

(eu bem que tentei desligar-te o disco do chet eu avisei, porque não ouviste antes Mike And The Mechanics?...)

JP

siam ue disse...

Parvoíce. Salta dessa letargia, sacode os ombros, bebe algo a que não estejas habituada... Sorri ao espelho, ensaia um saltinho gracioso e alegre de menina. Vai a correr para a rua, fala a toda a gente, atira sorrisos ao ar para quem quiser os possa apanhar, passa debaixo da minha janela e atira-me um grito ao vidro para me acordar. Vou correr contigo vida fora até te esqueceres que a tristeza existe.
Sua melga deprimida e pessimista.
Beijo

Deixa-me esse Chet Baker.... Arranja uma música que seja sempre a ABRIR, Xutos, Guns, Whatever...

Haere Mai disse...

Nostalgia...saudade! Como te entendo! Tu sabes...
Beijo azul

Paulo Lopes disse...

Um estado de espirito que não tem mais importância que um instante de vida, uma fracção de quase nada, pode causar danos permanentes tornando-se um quase tudo. Como o momento em que foi escrito este texto.
Queres matar os leitores de melancolia? Encher as reservas de água para apagar fogos com lágrimas? Arrebita. Deixa a tristeza para o Inverno, estamos no Verão.
Bjs
:-))))

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Um Novo Olhar disse...

São por vezes estes momentos de nostalgia que nos sacodem a alma...
Viajas e regressas com uma nova atitude...mesmo que não lembres

"Viajo...
Há dias que parti.
E não sei se regresso.
Não sei de mim."


Um beijo
Dolores

Iveta disse...

Ai! Bolotinha Bolotinha...
mais um grito de rebelde melancolica?! (bora fazer um clube - risos)
beijoca (volto mais tarde... e' suposto acabar o relatorio antes das 10.00 am, e nao andar aos gritos partilhados na comunidade blogueira - mais risos)
GMT

Iveta disse...

realy... funny... valentine...
qts vezes o sol encobre as lagrimas, e tom bronzeado da pele as nodoas negras existenciais...
qts vezes inventamos maos cheias de coisa nenhuma numa tentativa (absurda?) de permanencia...
nada pior que as tardes escaldantes qd o frio reside em nos - o tal "andar so' por entre a gente" do poeta da nacao!
os segredos sao SEMPRE grandes demais, por isso valem a pena!
os sonhos nao seram guias sensatos, mas "os sonhos de(V)erao ser perseguidos ate' a' exaustao?" eu diria que: SEMPRE, sempre que exista uma infima hipotese de concretizacao...
Fugas de nos, sao uma especie de peregrinacao necessaria, e eu adoro peregrinacoes - sao a melhor parte de mim, experiencias enriquecedores e inolvidaveis, logo recomendo - qb!
suspende todas as despedidas, se tiveres que partir, falo-as de qq forma, evita dores desnecessarias (embora eu insista em despedir-me e em que se despecam de mim :( )...
(a)guarda beijos e noites, cores e perfumes, sao a nossa reserva de felicidade! sem eles nao ha' Vida! (existencia apenas)
segue sempre, SEMPRE melodia do teu coracao... sem racionalizar, a musica encontrara' o caminho por ti. Chet Baker? porque nao? eu gosto (risos) what?! (risos e mais risos)... whatever! eu danco, tu nao?...
eu tb regredi e voltei ao inverno, nao vou deixar-te aqui o teu proprio conselho, nao vou falar-te de mantas aos quadrados, ou de lareiras, ou de cha' de menta (sempre com uma folha de hortela)... vou dizer-te apenas que tudo isso pode ser util.
sempre na certeza que a seu tempo o sol descobrira', e sera' glorioso, lindo, ofuscante! brilhara' nos olhos e no olhar, verde, azul, castanho, cinzento, dourado... sempre na cor do mar que amo! o mar dos sentimentos que perduram e nos acolhem a cada regresso mascarado de primeira vez!

beijo e obrigada

DelfimPeixoto disse...

Poesia... poesia! Gostei

Anónimo disse...

começou hoje um novo ciclo,
aquele sempre nosso que tão bem conheces e sabes,
"as palavras são uma pele"
E nós sempre nos tocamos,
Por onde andas?
O teu Poeta,
E.M.