domingo, novembro 9

Para sempre

Fotografia de Luís Ferreira

Esgoto-me em melodias breves
num respirar lento de asas quebradas.

Lágrimas secas por sentires proibidos
vais
e
vens
como se eu permanecesse
numa espera
sem hora marcada
tons de azul
numa primavera por inventar.

Desejo-te
em movimentos constantes
suave libertar de emoções loucas
as manhãs em que te penso
os momentos
em que te tenho
fugazes
efémeros
perdidos...

...depois
a realidade deixa-me as mãos vazias de ti.

Regresso ao meu mundo
onde me isolo dos outros
para que o segredo se mantenha
e
a
magia...

Se soubesses o que despertas em mim
talvez sentisses,
talvez gostasses,
talvez ficasses.

Se soubesses
que só existes TU

mesmo quando parece haver outros

mas és tu e sempre tu
em que me vejo e revejo
e
invento
em manhã cálidas de dias de inverno
tu
e sempre tu
com quem quero fazer tudo

dançar
rir
passear
chorar
comer
ler
amar
viajar
existir
inventar
sonhar
estar
VIVER!

Para sempre.

17 comentários:

Utopia das Palavras disse...

Eu voltaria
sempre
ao mesmo lugar
para ouvir
cada sussurro
desse imenso
mar...
que és tu!

Adorei o teu poema

beijos
Ausenda

Maria disse...

O amor é assim. Para sempre.
E que seja para sempre mesmo, enquanto durar (como alguém disse por aí...)

Um abraço

Novo Olhar disse...

Um querer elevado, como só tu!

Adorei o poema

Bjs
Dolores

em azul disse...

Vamos inventar uma nova primavera
esperarei por ti
debaixo da cerejeira
quando estiver em flor.

Chegarei muito antes dos pardais
depois das chuvas
quando os raios de sol
aquecerem os botões.

Guardarei para ti um pé florido
onde não haverá cereja
mas a prova da minha lealdade
e dessa primavera inventada.


Um beijo, Ana
em azul

Beatriz disse...

Ah, esse querer ser tudo na vida do ser amado e desejar que ele se integre na nossa vida com tanta força, tanto poder, é um sonho que muitas vezes julgamos impossível, mas que, se realizado, nos traz a certeza da existência de 'almas gêmeas'. Que te cheguem os momentos que tanto sonhas, amiga, e que se eternizem na existência do teu real.

Ficam raios de luar e beijos no teu coração.

Marta disse...

Reencontrar...
Sempre essa paixão...esse desejo de viver intensamente...
Lindo poema...
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

Transcendente disse...

Obrigado pela visita :)

Esses sentimentos que nos fazem mergulhar no mar de fantasia e felicidade são muito inspiradores ;)

Voltarei em breve

Teresa Durães disse...

gozar a vida em toda a sua plenitude

NOCTURNO disse...

Quando se ama assim, não há limites.
O sentir é infinito e mais do que intenso... assim são as tuas palavras.

beijo

Graça Pires disse...

Um amor para sempre. Como se fora a própria vida...
Um beijo.

Haere Mai disse...

Para sempre... Tanto tempo! E afinal... apenas um momento! Aprendi a não ligar ás tuas etiquetas, o antes reflecte o presente, ou então paraste no tempo!
Linda a tua forma de construir poesia! Bela a maneira como a transmites!

Beijo azul, sempre e para sempre!

Mié disse...

O sonho o desejo e o real

paradoxos!!


O amor é assim, para sempre, _______enquanto dura.


Um beijo

enorme


...subscrevo-te o poema da Azul.

Twlwyth disse...

Um bater de asas que liberta eternas lembranças.

Beijo doce

AnaMar disse...

Haere mai (desta vez escrevi bem o teu nome :-D): sabes que este espaço é uma espécie de arquivo de palavras soltas ao vento, há muito, muito tempo atrás...

Arquivo sem ordem especial, apenas folheio páginas e sim, por vezes são estados de alma que se cruzam.

Mas não acho que tenha parado no tempo.

Os amores são para sempre...e únicos.

Mas também sabes onde me podes ler "em directo"
http://clave-de-sol-passion.blogspot.com/

Beijos de arco-íris

Lúcia disse...

Arreabata-nos o amor. E as tuas palavras.

Paulo Lopes disse...

Existe um balanço muito bem compensado entre primaveras (ainda que por inventar) e as idas e voltas, regresso e despertar, sentir gostar e ficar.
É natural, é inato, apenas a inteligência da espécie acrescenta os pormenores que desequilibram a natureza fazendo os momentos perderem-se, como bem notas.

Por isso guardo sempre os negativos longe da humidade das lágrimas e do calor do Sol de Verão, com receio de desperdiçar as imagens que não conseguirei repetir.

Uma coisa é certa, estas tuas palavras, tenho quase a certeza, não serão levadas facilmente pelo vento.

Mariz disse...

Salvé!

Que coisa esta...
Que bonito...mas, como é que se pode gostar...assim...desta maneira? através da mente? é que soa a dependência...de alguém!
Bem mais bonito seria - desculpe a ousadia - se essa escrita fosse apenas de si para si!
O que lhe falta...é aquilo que expõe. Faça um esforça mais: preencha-se, cultive o amor no coração, ame... AMANDO-SE! - e verá que depois
...todos estes "gostares" ou "amores" que se mostram por aí...são uma fragrância voláctil do que é realmente: SENTIR!

Um abraço carinhoso e um olhar de esperança, pelo que falta...

Mariz

ESPAVO! - ("reconhecendo a Luz que há em si").