sexta-feira, janeiro 30

Sabias?...

Fotografia de José Maria Pimentel




Por vezes as letras não formam as palavras que queremos ou melhor, que devemos, pois é clássico o eterno conflito entre o Querer e Dever.



Por vezes a atracção reside nas diferenças: desejo / romance; vontade / dúvida; breve gostar / paixão; aventura / descoberta; ou simplesmente nos complementos (in)directos deste jogo de sedução em que nos inventamos...Vá-se lá saber porquê...Talvez porque ando sem rumo, porque medito demasiado, porque tento esquecer um desgosto, porque me perco e encontro nesse olhar cheio de promessas que jamais cumprirás, porque o teu colo tem sabor a paz, porque estou ávida de ternura, porque...



...Mas tento não cair na armadilha da qual sei de cor, o sabor triste de despedidas adiadas...



Até porque não sei viver de outra maneira: apaixonadamente um dia de cada vez, intensamente como se fosse o último, sem sustos, nem medos, a uma velocidade alucinante...



Por isso e por tantas outras coisas que, de se saberem se banalizam se as escrever, tento fugir neste paradoxo de só vou porque estou apaixonada e não quero apaixonar-me, assim não vou...



Percebes agora porque parece o meu discurso incoerente? Porque digo uma coisa com a boca, dizendo outra com o olhar? Porque não pareço convincente?



Não tem nada a ver com moral, pecado, sentimento de culpa...É uma defesa, a melhor que consigo para que não nos magoemos...



Claro que ainda sinto a magia de momentos especiais...claro que me atrais, claro que me apeteces. Mas talvez seja tempo de fazer o tal exercício de disciplina que sempre desprezei, eu que há pouco tempo descobri / aprendi que devemos seguir o coração...



Não sei do que preciso...



Talvez de um tempo de solidão para que me encontre,



talvez de um amigo que permaneça sem esperar nada em troca,



talvez do teu olhar quente em dias cinzentos de nevoeiro...



...Se soubesses as saudades que sinto, sem teres partido, se soubesses a falta que me fazes, mesmo quando estás...



Um beijo e muito de mim.



22 comentários:

Teresa Durães disse...

a paixão faz com que não digamos umas coisas com medo da rejeição, penso

pin gente disse...

emprestas-me esta carta?
quero rele-la dia e noite para a aprender e fazer como tu!


um beijo (3), ana
luísa

JustMe disse...

"As cartas que nunca te enviei" são
"as palavras que nunca te direi"...

Por mais que digam o contrario, acabamos sempre por deixa de dizer ou fazer algo...

Vamos tentar não continuar assim !?!?!?

Abraço-te

Rogéryo de Sá disse...

O pior é não ter pão para comer todos os dias. Agora que faço aos meus quatros filhos com eu e a minha mulher desempregados?

leonor costa disse...

A vida é assim. Vive-se,por vezes, dividida entre o que queremos, o que temos e o que tememos perder!

Bj.


HOJE E AMANHÃ

Princesa disse...

Devemos sempre seguir o nosso coração.
Mesmo quando a razão nos manda para a direcção contrária.
Não é melhor ter minutos de felicidade do que nunca saber que ela existe?
Mesmo que depois tropecemos e sigamos o outro caminho.. pelo menos já a experimentamos.

Beijocas e bom fim-de-semana

vida de vidro disse...

As contradições do amor, da paixão, sei lá... o facto é que elas existem sempre. Balançamos entre fazer o que o instinto nos manda fazer e o medo de nos magoarmos. É algo que nunca muda. Mesmo que mude a paixão. **

mfc disse...

E com a prosa fizeste um lindo poema de Amor.
Parabéns.

gaivonta distante disse...

Decerto saberá a falta que te faz.
Decerto sentirá a a tua falta da mesma forma.
Assim: intensa, apaixonada, v i b r a n t e !
(impulsiva)

(a)guardo(-te)

Naty disse...

passei para ter deixar um bjs e dizer que gostei de ter passado aqui
bjs naty

Cackau Loureiro disse...

Salve!

=)

BlueVelvet disse...

Adorei este teu texto.
...apaixonadamente um dia de cada vez, intensamente como se fosse o último, sem sustos, nem medos, a uma velocidade alucinante...
Somos duas.
Beijinhos e boa semana

Graça Pires disse...

Belíssima carta de amor...
Beijos.

Anónimo disse...

sabia...
temos a mesma coragem, mas virada de costas uma para a outra.

o teu poeta,

Maria disse...

"apaixonadamente um dia de cada vez, intensamente como se fosse o último,"

É assim também que eu vivo, porque não sei viver de outra maneira... até ao limite...

Beijo, Anamar

mié disse...

Belíssima carta de amor.

beijo enorme

Susn disse...

Que o teu coração te traga coerência destas belas palavras não tão incoerentes.

Beijos

poetaeusou . . . disse...

*
arquitectando palavras,
no teu estilo geométrico,
como poderei comentar-te ?
,
belo mar, melhor prosa,
,
letradas conchinhas, deixo,
,
*

Sininho disse...

Se se soubessem as palavras que nos faltam...

Um beijo eterno de cumplicidade, dúvida e plena incoerência!

Eduardo Aleixo disse...

Texto em que meditas sobre o amor, a paixão e a felicidade. Subscrevo por inteiro não só as tuas palavras, mas também o modo como as dizes e a problemática complexa que preside às mesmas e que as ilumina: principalmente mostrando como muitas são de fácil e bela enunciação, estetricamente belas, mas com vivências dolorosas e obrigando a opções difíceis!
Obrigado.
Eduardo

Teresa do Mar disse...

Sabes o que acho?...

Que tens saudades de ti.

Um beijo do meu Mar para o teu.

O Teu Poeta Com Cara disse...

Não sabia...Nem fiquei a saber, eu que tudo sou capaz de aprender não te consigo reter, apenas imagens e o meu pensamento e palavras que observam o teu coração por dentro nos dias de chuva, quando te toco o peito em silêncio, ao ritmo da chuva no telhado de madeira.

Temos a mesma coragem, e temo-la bem de frente um para o outro, ainda bem, assim posso ser o teu poeta mesmo quando residual me peso, inconsciente, nos teus braços.

O teu poeta(mesmo).

(Afinal se poeta sou.....)