terça-feira, fevereiro 10

Dor antiga


O teu olhar

faz-me chuva no corpo
e nas mãos
a guerra das palavras.

O medo
vem com a madrugada
e o silêncio
instala-se no meu peito
assim a dor
e uma solidão sem nome.

Grito sem voz
o teu nome
pelos cantos deste hospital
e acredita
o que eu mais queria
era sofrer TUDO por ti.





O que dói é o teu sorriso calado
o teu olhar compreensivo
o teu corpo nos meus braços.

O que dói é esta casa vazia
os teus brinquedos quietos
a saudade que inventaste.

Também dói os gestos que não sei
e o nó na garganta.
Mas o que dói mais é este estranho sentir
esse teu choro calado
este saber que te vou perder.

O que dói é saber.

(Ainda bem que me enganei)

16 comentários:

Maria disse...

Tenho um nó na garganta que não se desata.
Não consigo comentar.
Desculpa...

pin gente disse...

respirei fundo...

beijo (já perdi a conta, "ana")

gabrielle disse...

As mães sofrem sempre (de)mais. Felizmente que nos vamos enganando!

Adorei ler-te, e estou certa que este poema poderá aquietar o coração de mais alguém... obrigada pela partilha.

um beijo doce

Teresa Durães disse...

quando a dor é grande não existem lágrimas para atenuar

O Profeta disse...

Dramático...sentido...profundo...


Doce beijo

Mª Dolores Marques disse...

Ola Ana!

Agora é a minha vez

Vem ao meu blog, tenho um desafio para ti

Bjs

Gasolina disse...

Olá!

Venho com uma missão. Lá da Casa da Pin, da Pin Gente.

Informar-te que a Pin te atribui o Selo "Sobrevivente ao Amor" (isto é regra dela).

O recado está dado. E acho que o selo te é bem entregue. Parabéns.

as velas ardem ate ao fim disse...

Isso sim são dores!Fartei me de chorar ao ler te.

abraço mto apertadinho

poetaeusou . . . disse...

*
pela minha mente, vários
filmes de sofrimento passaram,
uns com final feliz,
a maioria de finais doloridos,
faz parte da vida
e assim sempre será,
,
conchinhas de luz, deixo
,
*

Princesa disse...

Revivi cada palavra aqui descrita...e felizmente também eu me enganei!

Um beijo de mãe

Graça Pires disse...

Uma dor sem nome. Saio comovida. Um beijo.

tulipa disse...

UMA SURPRESA:

QUEM
QUISER
VER
MAIS FOTOS DA MINHA EXPOSIÇÃO
PODERÁ
IR A ESTE BLOG:

http://nunoalexsousa.blogspot.com/

ACONSELHO VIVAMENTE.

O MEU "PADRINHO"
fez-me uma surpresa
e um miminho,
em vir à Moita ver a exposição e fotografá-la.

Bom fim de semana.
Abraços.

vida de vidro disse...

Dor de mãe é terrível, sem medida. Enganamo-nos, felizmente, muitas vezes. Mas a lembrança da dor fica. beijo

Jade disse...

Porque sou mãe...não tenho palavras...
Um beijo doce como o amor infinito que nutro pela minha filha

mfc disse...

Aquele último "ainda bem que me enganei" sossegou-me por completo...

Paulo Lopes disse...

Pode um pai sentir como uma mãe? É que senti muito por dentro este expressivo grito dramático, que se percebe, vem de bem fundo do interior da alma. Pelo que julgo saber, a Presença, promete amenizar essa dor que te desejo, inesperadamente, suave.

Beijo