domingo, fevereiro 8

Respirar


Estou à tua espera!

A cidade continua cinzenta,
o Sol, vem e vai, tal como alguns amigos...
As ruas estão cheias de lixo
e
da terra
solta-se um odor a chuva

água que vem de mim

não há lágrimas
mas
um descontentamento
que leva o meu nome até ao rio

uma insatisfação
que cresce
com as árvores do meu bosque secreto

e nem sei o que sinto

uns suores frios,
as mãos trémulas,
o olhar turvo,
a vontade a morrer,
o sorriso a esvair-se em dor

nem eu sei porquê.

O Sol voltou.
Recuso-me a aceitar o azul do céu.

O sonho persiste.

Borboletas esvoaçam
no meu peito
aprisionadas
pelo silêncio.

Sinto em mim
o medo,
a noite,
a cidade de cimento
e música,
sempre a música
que me põe no olhar
imagens poeirentas
e o pensamento
distante.

16 comentários:

pin gente disse...

espero que nestes anos o céu se tenha tornado azul.

um beijo

Mar Arável disse...

O medo não é bom conselheiro

liberte-se

no mar desgrenhado

não espere

conquiste

ouse

mariam disse...

AnaMar,

poema lindo e sombrio!
também ando um pouco assim...
nada que um bom passeio no campo ou uns 'respiros' de mar não resolvam :)

boa semana
um sorriso :)

Maria disse...

Este teu respirar é difícil...
e nunca cheirei a chuva, mas gosto da expressão "água que vem de mim".
Tu, terra!

Um beijo

Haere Mai disse...

Ana! reconheço grande valor e mérito ao teu trabalho neste espaço! Tenho o prémio correspondente ao mesmo no meu espaço. Entrego-te orgulhosamente!

Beijo azul...Sempre!

Graça Pires disse...

"água que vem de mim"
Líndíssimo poema, apesar da melancolia.
Um beijo.

Jade disse...

As vezes esperamos esperamos...mas esperaos tanto que quando chega não o sabemos reconhecer.o que escreves tem sempre o dom de me fazer pensar...

Teresa Durães disse...

o medo acontece mas depois passa e a vida transforma-se

mundo azul disse...

_________________________________

"...tem dias que a gente se sente, como quem partiu ou morreu..." (Chico B)

Assim é... Há dias em que nada parece valer a pena...Mas, esses dias também se vão para dar lugar a outros, de luz e alegria!

Beijos de luz e o meu carinho...

_________________________________

Tchi disse...

Um rio a receber o fio das tuas lágrimas.

O sol a querer respirar-se em ti.

A vontade a abraçar-te para que um caminho chegue até ti.

Rosa disse...

Palavras bonitas, ainda que tristonhas.

Eduardo Aleixo disse...

Borboletas aprisionadas...recusa em olhar o azul do céu...
Palavra que me apetecia estar a falar contigo sobre estas coisas!
É que estás cheia de beleza por dentro e prendes essa beleza e essa beleza presa fica triste.
Não percebo.
Deixa voar o pássaro que canta em ti.
Dá-lhe liberdade.
Acho que tens medo.
Não tenhas.
Precisas de dar um passinho em direcção ao amor.
Mata o medo.
É o nosso pior inimigo.
Respeitosamente, beijo.
Eduardo

Marcelo disse...

O mais interessante é que essa espera acaba quando menos esperamos.
Se é que me entende...

Beijos do Má

vida de vidro disse...

Há uma clima claustrofóbico e melancólico em todo o teu texto. O que não o impede de ser belo.**

Princesa disse...

Solidão!
Apesar de haver pessoas à minha volta, o sentimento permanece.

Beijo

Paulo Lopes disse...

As borboletas não esvoaçam em vão, acendi a vela que substitui a música, como um farol, para te ajudar a encontrar uma saída do centro desse silêncio de que falas.

Beijo