sábado, novembro 7

Des(Focagem) ou Noites de Casablanca

(Sim, é a Torre dos Clérigos)

A suave brisa
quente
a lembrar
o teu beijo
ardente
abafado
o grito
de prazer
de corpos
na areia
moldados
ao luar
do Sol.
Oriente mistério viagem
império
de sentidos
cores
sabores
sedas
em mim
jóias palácios
cavalos
árabes
príncipes
noites
mágicas
sem fim.
Deserto em tempestades
de areia
e emoções
tempo
para
rir
aprender a amar
regressar
sem
alma
lago gélido
amanhecer
(s)em
ti.

20 comentários:

OUTONO disse...

Um dizer envolvente...que apetece declamar!

Beijinho!

Soraya Azevinho disse...

ame, mas não se prenda
*

[um carinho]

Joao P. disse...

Ana(mar)

Desfocado?
Parece-me muito focado...

Lindo!

gosto muito da forma como jogas com as palavras

beijo

João

Pedro Meneses disse...

Uma perfeita imagem!

Graça Pires disse...

Quando o amor consegue representar tudo o que amamos...
Beijos.

Graça Pires disse...

Obrigada pelas palavras deixadas no meu "Ortografia". Também terei muito gosto em conhecer-te. Mas é dia 21 e não 27.
Beijos.

mariam disse...

AnaMar,

_______ LINDO _____ .

tenho estado a 'ler-te', muito bom :)

um grande sorriso :)
mariam

Marta disse...

Declama-se e fica-se tonto com as palavras...
As sensações, as emoções da noite em que se ama..
Gostei...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Chris disse...

Gostei do poema e da estética das palavras, nesse amanhecer (s)em ti...
Um abraço
Chris

uminuto disse...

amanhecer EM ti...palavras que apetecem sussurrar ao ouvido de quem se ama
um beijo

Ana Carolina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A Magia da Noite disse...

um turbilhão de sentidos e ausências que culminam na saudade de não estar.

Canto da Boca disse...

E a emoção pulsa, promove poesia, emoção, prazer. Gosto dessa notas orientais, com que nos presenteias.

Um beijão!

P.S.
Por um momento pensei que era a Torre dos Clérigos...?

Não percebi que estava postando com a página da minha filha (Ana Carolina).

;)

Lilá(s) disse...

Este jogo de palavras encanta, gosto.
Bjs

Apenas eu disse...

Palavras soltas que juntas fazem este teu poema cheio de sentido.

Arabica disse...

Ana,

estou aqui a sorrir há uns minutos.
Desfoco os olhos na memória das noites árabes, tatuadas na pele de quem as viveu...sentiu. Seria culpa das estrelas ou dos perfumes? Seria culpa da imaginação? Seria culpa das promessas contidas nas mil e uma noites? :)

Amar...afinal ainda me lembro....

:) Um beijo, dos beijos (um meu e outro da Maré, deixado junto à chávena de café), boa semana de trabalho!

José Rui Fernandes disse...

Um poema que é uma torre! De amor... e de dor...

MZ disse...

Que viagem!!!

Para além da "Torre" eu vejo também
uma escadaria de palavras com tapete oriental que nos leva num voo mágico até ao topo das emoções...

(a Torre C. está linda)

beijinhos

bee disse...

Falta-lhe o 'thrill' do Alfred, porque esta janela abre-se ao Amor e não ao suspense.

Tenho saudades do outro Oceano por si amado - a prosa.

Futuro hipotético, uma expressão gramatical. A velha amiga que nos vincula à noção de probabilidade.

O Ovo livre é o Destino, que antes de se revelar («quebrar») já é.

Fico ligeiramente desiludida por não se ter prendido ao meu comentário. Lerei sempre os seus posts.

Respeitosamente, Beatriz (Bee)

AnaMar (pseudónimo) disse...

Bee:

Ainda bem que voltou, pois não sabia como contactá-la.
O seu comentário prendeu-me a atenção. Mas qualquer "nabice" minha fez / faz com que não o consiga publicar embora esteja no meu email :-(.
Agradeço que mo reenvie, pois a honra é minha em tê-lo junto a todos quantos comunicam comigo , enriquecendo-me.

Grata,
Ana