sábado, setembro 3

Azrael




Aos teus olhos marejados de pétalas



sou
noiva em flor



vale de lágrimas



cheia de graça




ave




garça




mariposa em flor descarnada



espera adiada



rendada



rendida perdida





a vida ao sabor do tempo em que as cerejas eram o vermelho da boca




bouquet



e as vitórias das lutas rebeldes quando o teu corpo se abria no meu




ao som da musica que compões com os teus dedos de pianista





solista



em seda preparada



nas manhãs submersas de palavras não ditas



escorridas a água



sangue suor sal amor





afasto-me em passo de dança



c.r.i.a.n.ç.a



sorriso____ de____ esperança





a mão de Deus na minha fronte


e


esvai-se a vida no sorriso que te deixo




memórias do que não tivemos



ampara-me na queda em que ascendo aos céus




sou raio de luz musica infinita




morte


sorte


cavalo alado


anjo


cinza e raiz


sou terra mãe árvore mulher


fui feliz.


sexta-feira, agosto 19

My Melody






anima-se o vento sob o teu andar deslizante

imperceptível a poeira do meu olhar

vacilante

enquanto me tomas nos braços

me tomas

em goles ávidos

num

trago

o

ventre rasgado em camuflagens de alma de anjo


tomas-me depois

d.e.v.a.g.a.r


num deguste próprio de um vintage porto

envelhecido em caves de ouro


(a)douro

o teu sorriso

com estas mãos pequenas de brincar à apanhada

calada

no beijo despido que te sopro

de coração partido em pedaços de papel


respirava-te em gotas de chamas


bebia-te as palavras irrequietas

vagabundas

na minha pele

onde ainda escreves discursos


p-a-r-t-i-t-u-r-a-s


musica que compõe(s) (n)o meu corpo

enroscado

nu

teu


melodia que sou

que somos

tu & eu.



quarta-feira, agosto 10

Today is the Day ou como o amor nos (es)colhe...











Viajo na tua pele de marfim




que me deixaste em reminiscência




sorvo-te as palavras




os gestos




bebo-te o suor na distância da corrida




para não te perder




de vista




em janelas de castelos onde és rei dos meus afectos




entorno o olhar na tarde que tomba








d




i




r




e




i




t




a






ao peito




neste corpo marcado pelos teus poros




pelo teu saber de mim sem o toque de veludo que imaginas sentir




neste corpo onde pairo em esperas infinitas




sem suportar demoras do tempo que não tenho




saliva




lágrima




ou sémen




vivo




de memória(s) que invento.









Um dia




meu amor,




saberás o sabor agridoce do meu sangue




o perfume da minha carne firme




e




perder-te-ás no meu olhar de mel, quando eu já tiver partido.





quarta-feira, julho 27

O Canto do Cisne



Crisálidas dementes



-e-n-c-r-espadas



salientes no desespero da liberdade



rasgam-se véus de teias



murcham pétalas



ideias



veneno anil



sol e sal



lamento visceral



putrefacta a alma do poeta maldito.





Sou poema proibido



lago



rio esquecido



mar de lama afrodisíaca



sangue e suor



sou s.u.s.p.i.r.o



(e respiro)



onde te passeias



em voos rasantes



enquanto morro em ti.