sábado, maio 12

Azul


a distância de que fazes ausência deixa-me em sonhos onde entras espreitando-me nua à luz da lua cheia o teu sorriso azul com que me debilitas os sentidos dormentes os dedos nas minhas costas em cócegas delirando excitações na minha cama azul quando abro os lábios ao teu olhar azul que me penetra a pele de seda tingida de azul céu para onde voo direita à casa de música que guardas junto ao peito numa caixa de cristal azul de palavras ternas e cintilantes de uma provocação azul quando chegas ofegante da corrida que é o percurso do gelo no meu corpo e azul a alma que me foge desvairada e louca azul sempre azul cada vez que te penso e te sei dia lago rio mar encharcado de desejo azul nas nuvens claras das manhãs em que me adormeces com a tua voz rouca azul de saliva respirada em suspenso azul o livro que ainda não te dei porque não sabes de mim em ti.

quinta-feira, março 15

Espelho



Percorro a memória
num novo olhar
que me mira
suplicante
de amor

amo em golfadas de ri(s)o em mar

por vezes até devagar
outras
em constantes sobressaltos

amo em gritos altosde explosão de prazer e suor

amo em pinceladas de luz
musica
cavalo lusitano
chapéu andaluz
trinar de guitarra
viola piano
violeta azul

espelho vitral

(n)o apelo do deserto
o meu corpo em chamas
fogo de peito cansado

amo em espasmos sincronizadosbater de asas
borboletas
aves migratórias

amo e celebro vitórias
amo e amparo lágrimas
amo e invento histórias

amor paixão

por vezes ilusãomágoa
então

rasgo o coração
atravesso os espelhos
com o (teu) amor
do lado oposto no inverso do contrário do avesso.

E permaneço.
Numa canção sem pauta.

quarta-feira, fevereiro 29

Crepúsculo






´

Arranco as pétalas dos malmequeres
num desespero infantil
de bem me quereres.

Relembro os dias de vento
em que um guarda-chuva
nos protegia aos dois.

E a cidade indiferente
ao nosso passo apressado.

E o lusco-fusco
numa imensidão de céu
um café
e o silêncio
das conversas inacabadas.

Depois,
a distância que inventei
num comboio sem regresso.

E o sorriso triste
que me deixaste
sinto-o
em cada gota de chuva
sem chapéu.