sábado, dezembro 26

Esqueço-me de respirar cada vez que me beijas



abro esse dia. na vontade de esquecer a distância.
descalço os teus passos a caminho do lodo. nesse caminho em que a lâmina te trespassou o peito de verde pinho. feito ninho. de aves loucas, opacas de sal. mar que me faz onda a rebentar aos teus pés de amo. senhor. espanto [a dor]. sempre te reconheci pelo reflexo de lua. cheia. apneia. encantado o tempo das romãs mais-doces-que-as-maçãs-que-me-descascavas.

meu olhar de lava.
lava o meu olhar.
lava 
leva.
abro os olhos.    
e____________________ fechas a memória da noite com os meus pulsos em sangue___________________ nas tuas mão de príncipe. 



7 comentários:

AC disse...

A beleza dum envolvimento por inteiro, apesar de as aves não louvarem a partida...

Um beijinho :)

mariam [Maria Martins] disse...

Lindo (como sempre)!
... passei para desejar um Feliz 2016!
beijinhos e saudades daqui :)
mariam

Boca de Sabão disse...

Bonito.

:)

Bjs

zaratustra disse...

olho os palavras e bebo-as uma a uma, fazendo delas embalo de sentires

bjs

► JOTA ENE ◄ disse...

Anokas, que raio de beijo é esse que te tira a respiração ? Será o de boca-a-boca ? eheh

Beijos muitos, mas sem te tirar a respiração. !!!!!!!!

Estrela disse...

Lindo! Profundo.

Filipe Campos Melo disse...

abro este blog sempre sabendo que (te) encontro, os VerSos
impRessivos e sempre sempre pRofunDos

Gosto TANTO de te Ler