sexta-feira, novembro 19

Gallipoli


 

Sinto os teus dedos

num respirar do abraço 

beijo de sílaba

corpo arqueado,

em desejo solfejo melodia,

que continues a esperar-me todas as noites,

sempre que a chuva dança em mim 

nesta paixão desenfreada, 

que confundo com amor.

 

Delírios de primaveras maduras

as guerras dos sentidos,

eu entontecida

o teu olhar faminto,

segredo revelado

a sul, 

onde o sol é navio.

 

E a tua mão pousada no meu peito.

quinta-feira, novembro 18

Time to go


 

Dá-me a mão, senta-te comigo junto ao lago dos cisnes, que perdura no bailado do meu olhar.

Dá-me a mão, enquanto percorremos a Marginal, ao som das tuas escolhas que me cativaram. A tua mão esquerda no volante e a música acelerada como o meu coração.

Dá-me a mão, sempre a direita, quando passeamos pelas Avenidas e deixas nos passeios, aroma a baunilha e nos meus lábios, o sabor a cigarrilhas (que agora fumo).

Lembra-te das palavras que moram nos livros, dança ao som das canções que me ofereceste, e viaja até onde a imaginação te levar.

Dá-me a mão. E abriga-te comigo, aqui, comigo. Dentro no meu peito. Nesta mistura de calor de pele, onde flutuo para além de ti.

Náufraga desse teu after shave inebriante, presa no teu sorriso de olhos fechados.

A tua voz fere como a noite mais solitária, quando saio para a rua deserta e danço ao ritmo da chuva.

Vislumbro-te ao longe, sem seres sombra ou apenas silhueta.

 

Então abrigo-me. E já não choro. Apenas reconheço a simplicidade da imensidão.

quarta-feira, novembro 17

Noite 1001


 

Cântico final com(o) prata oculta, sa(n)gra(n)do o dia de expiação em que decido morrer, num abandono exacto em soluços incandescentes, esculpindo memórias despidas de aromas, apenas gravadas a fogo no peito desajeitado pelo horizonte longínquo, em que te sei ávido das minhas formas, como eu da tua alma.
Danço então, até o rubor das faces iluminar os jardins proibidos, onde te seduzo em troca da tua voz de anjo numa inquietude erótica e mortal, que é esta paixão faminta, numa cadência sôfrega e insaciável, como os amores distantes que ecoam nas cartas guardadas, amarrotadas e lançadas ao mar, ondulando até submergirem patéticas e solitárias (como todas as cartas de despedida da vida e dos amores que se despem) abandonados num labirinto de verbos inflamados de violetas desfeitas pelo beijo violento.
Saio assim de mim, a tentar inventar um novo silêncio que se estenda até à música, que será tudo o que levo, ao fechar-me comigo, trancando-me por dentro, na praia onde o piano descansa, elevando-me aos céus, para que saibas que é chôro, quando a chuva te refrescar o rosto cansado, por tanto que me procuras.

terça-feira, novembro 16

Wonder



Quero falar-te de um filme a preto & branco, em que fomos protagonistas, em tardes escaldantes de desejos ansiados.

Há tanto tempo, que nem sei se foi realidade ou ficção.

O meu peito albergava então, uma força indomável, uma sede dos teus lábios, que nunca saciei.

O teu olhar magnético prendia-me não só o olhar, mas também os gestos que sempre fluem para ti. Ainda agora.

Em mim mora agora o vazio da cidade, despida de ti.

Da tua memória, apenas as luzes de néon, numa espécie de vestígio, que se agitam numa quase musicalidade e me incitam, quase todas as noites, a descer para a rua, em busca de ti.

segunda-feira, novembro 15

Deserto



Troca-se a palavra
sem medo,
é profundo o segredo,
congeminado,
infantil.

Corrói a alma,
salta a página
de história
canção de embalar,
a memória
trai
o dia sem dormir.

 
Solta-se o vento,
a voz,
a vez de partir.

É tarde para sorrir.

Espera a noite para sentir.

Abraço.
Morno.
Corpo alado.
Aroma almiscarado.
Deserto de mim.

 

E a memória do teu beijo de morte, nos meus lábios de pedra.