sexta-feira, outubro 31

O amor nas pontas dos dedos ( O amor nas mãos)

Pararge aegerica

Fotografia de Luís Ferreira

Busco-te
por entre as árvores,
procuro-te em cada olhar
revejo-te em todos os sorrisos...

...Encontro-te perdido numa praia
que só nós sabemos.

Agarro o tempo
para que
não me deixes ir
no esquecimento
que pedes.

Penso-te,
imagino-te,
sinto-te
numa explosão de sentidos sem fim.

Então,
é manhã outra vez
e escondo-te tão dentro de mim
que
te perco de novo.

quinta-feira, outubro 30

Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama

Porque o cancro não só mata, mas também morre!
Que o digam amigas minhas que estão a passar por momentos que eu não sei se aguentaria.

Que o digam milhares de mulheres que o venceram! E vencem a cada dia que passa.

Um beijo especial à minha amiga Zinda (minha sogra).

E porque prevenir é um acto de coragem e os símbolos servem para unir os pensamentos em massa e reforçar a luta:

hoje
tenho uma t'shirt cor de rosa

(eu que nem gosto da cor).

E não é um problema exclusivo das mulheres!

Bom dia de reflexão e prevenção, para quem está saudável.

Bom dia de parabéns pela coragem em vencer esta doença maldita.

Bom dia.
Por um Mundo melhor
que podemos
(devemos)
ajudar
a
construir.

Um beijo.
Hoje tem que ser rosa!



segunda-feira, outubro 13

A ver o rio...

http://paulolopes.net/

Vou ficar a contem
plar o rio
enquanto te sei longe de mim
a começar uma vida nova
que tamm tive, em tempos.

Vou ficar sentada.
ou a passear pela Marginal
tentando estar contigo,
em todos os momentos
em que me sentiste ausente.

E tentar que as lágrimas
sequem ao sol de fins de tardes outonais
pelo espaço que deixas vazio,
pelo teu riso que escutarei à distância,
pelas lágrimas que pressentirei.

Vou contemplar o rio,
que mais além é (a)mar
num amor sem tempo nem medida.

Vou saber cada dor antes de ti
tentar que nunca percas essa força de viver
estar contigo, apesar da distância.

E ver o rio.
E o mar.

Vou sentar-me na nossa praia
e tentar encontrar-te nas ondas
rebeldes
como tu,
inconformista
decidida,
uma autêntica força da natureza.

E o orgulho com que te afirmas
a transparência com que te entregas,
a dança que fazes da vida,
é a música
que me faz levantar todos os dias.

Só para te dizer (como se não soubesses)
que vou ter saudadas tuas,
mesmo da tua impaciência para ouvires os "meus sermões"
mesmo do teu mau humor matinal,
da tua teimosia
e das discussões por coisa nenhuma.

Vou ficar a ver o rio.
E escutar as tuas gargalhadas
a ecoarem na memória
do teu olhar doce,
que me diz
que estaremos sempre juntas,
independentemente
dos kilómetros
que perfazem a distância.

Para sempre, meu amor (sim é para ti esta musica, do Xutos & Pontapés).

Vais partir, mas eu vou contigo!


quinta-feira, outubro 9

Fénix
















http://www.paulolopes.net/


E eis que regresso.

Renascida na
canela,
salva
e mirra,
num confronto
com a minha morte
há tanto
anunciada.

Eis que regresso.

Em cores
de asas,
em voos
proibidos
numa aprendizagem
de tons
roxo, azul, vermelho, branco
e
dourado.

Promessas cumpridas,
verdades omitidas,
palavras repetidas,
amizades reprimidas,
u
m
a

l
á
g
r
i
m
a
com sabor a café frio.

Regresso.

O peito aberto para os amigos que tenho ignorado.
As mãos estendidas para os os carinhos que me têm aguardado.


A boca ávida
de partilhar as aventuras
desta viagem,
alucinante
fascinante,
experimental,
em que por algum tempo
me perdi
de mim.

Regresso.

O olhar
ao encontro
do
olhar
que ainda é da cor do meu.


Regresso.
Ao chá de menta
que se mantém quente
numa espera
incandescente,
na mesma mesa
do mesmo Café.

Regresso,
segura
e
altiva,
nas minhas botas de cano alto,
em passo apressado
pelo tempo que não vivi.


Regresso,
como se não tivesse partido,
feliz;
apesar da viagem
me ter dividido,
num reencontro comigo.

Estou aqui.

(Apaixonadamente a viver cada dia, como se fosse o último).