terça-feira, julho 27

Ilha



De joelhos


rio


dAs


l

á

g

r

i

m

a

s


(res)guardadas dos dias de tempestade

em que as letras são mais pequenas para as palavras não perderem o encanto

da seriedade dos momentos.


Albergo mares de desejo

transporto sonhos

esqueço memórias

e deixo

que a vida me leve


leve

quebranto numa paz que invento


leve acordar sem sono.


Deixo que a vida me leve


ao sabor do destino que já não sei


deixo que a vida

a musica

a paixão (me) leve


por vezes peso de mim (s)em mim


deixo que a vida me leve

ou a morte. Já não sei bem.