quarta-feira, setembro 12

Saudade leva-me contigo




Amor inquietante no naufrágio dos dias.
Habito ainda, o coração dos pássaros que esvoaçam no teu peito.
Tardes inexoráveis de dedos imaculados, e que ainda me tocam os ombros nus.
Respiro(-te) o hálito, sorvo-te o beijo, absorvo-te inteiro.
Esqueço-me, lembro-te, nas horas breves de todos os dias.

Descanso nas memórias, e afugento a tristeza, com um gesto pálido de indiferença.

3 comentários:

Filipe Campos Melo disse...

a memória inquieta

bjo

Kodak Khrome disse...

que é feito de ti AnaMar?
nunca esqueci O Chá no Deserto
ou não fosse um dos meus filmes

Teresa Durães disse...

Acorda! Acorda, a vida não é feita dessa gente, de A a Z, acorda! A vida são árvores de fruto e as que nos dão oxigénio, água potável, insisto, água potável, não haverão animais, estão em extinção, acorda, de A a Z são todos iguais, ignoram o futuro, querem ouro branco, o Litium, acorda, vão dar cabo da nossa natureza, da nossa água, de A a Z, acordem, os cientistas dizem que em 2050 não temos mundo e não há plano B, não há escapatória, terei 80 anos, mas há as crianças de agora que têm direito à vida, não a minha que já a vivi, a deles, acordem, de A a Z, acordem.