quinta-feira, outubro 29

Espera por mim



A semana corre(u) lenta

angustiante

pelo receio de (não) te ver.


Sei-te perdido nesse hospital

dores insuportáveis

de quem sabe que a vida terminou.


Recuso-me a acreditar.


Por isso

espera por mim

amanhã

vou tentar dar-te o jantar.

E falarei pelos dois

se o cansaço

nem te deixar olhar.


Rirei das piadas que inventarei

seguarar-te-ei na mão

para que sintas que a vida não se esvai assim...



Lembrar-te-ei dos teus filhos a brincar

do colo que lhes dou

e que achas que me ficam bem

das risadas soltas

que te fatigam o andar

curvado

sobre ti

numa espera devagar

homem sem esperança

que tento recuperar.


Espera por mim

que tenho tanto

para te contar.

Como se pode perder alguém, que ainda não se ganhou?

Amanhã enxugarei todas as lágrimas que (ainda) não chorei.

domingo, outubro 25

Bom fim de semana


terça-feira, outubro 20

Norte



Saboreias(-me)


bagas brancas

do Sol raiado

camarinha


amor jamais renegado

apenas olvidado

pela insensatez

surdez e teimosia

a amizade é a mais pura forma de amar

casa vazia


pinhal em corte raso

amarillis


alfazema


rosmaninho


vinho


Porto Reserva


vintage


sei o (meu) Norte


amor dividido pela multiplicação da paixão


a sorte


de permanecer no coração


de quem me ama sem explicação


amor aprendido


sem ilusão


o Sul na palma da mão


de dedos de menina


que crescem para os cabelos ondulados


da infância perdida


dividida


e o Sul cada vez mais distante


decidido ou hesitante


construindo imagens novas


provas de peliculas antigas


retoques mal-me-quer


num gostar a mosto


(A)gosto


de qualquer mulher.